15/12/2015 às 11h58min - Atualizada em 15/12/2015 às 12h18min

Atividade física em demasia pode afetar o coração

Saiba como não exagerar e comprometer a saúde durante o período de férias

Rodrigo Freitas
Francisco Antonio Helfenstein Fonseca, cardiologista e presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP)

Com a chegada do final do ano e aproximação das férias, muitas pessoas planejam viagens e atividades físicas, seja com o intuito de se divertir, sair da rotina, melhorar a aparência física, se exercitar ou mesmo se desestressar.

Os programas são diversos e incluem desde uma simples caminhada, benéfica à saúde do coração e da mente, até performances mais elaboradas, como participar de maratonas, pular de bung jump, escalar montanhas e andar de kart em alta velocidade. Tais atividades elevam a frequência cardíaca, podendo causar complicações em pessoas que apresentem quadros de doenças cardiovasculares ou possuam histórico na família.

Segundo o cardiologista Francisco Antonio Helfenstein Fonseca, presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), embora o risco seja pequeno - tendo como exemplo as maratonas, quando o esforço físico é maior do que o habitual, é importante que seja realizada uma avaliação médica antes de realização de qualquer atividade que possa comprometer o funcionamento do corpo e principalmente do coração.

Dr. Francisco argumenta que, se o indivíduo estiver habituado à realização de exercícios de grande impacto, a chance de ocorrer algum fator adverso é pequena. No entanto, ele aconselha que, antes de praticar qualquer atividade física, é imprescindível a consulta a um médico especialista, de confiança do paciente, além da realização de uma avaliação prévia, pois, conforme alerta, a maioria dos casos de patologias e diagnósticos é desconhecida ao doente.

“Existem alguns casos raros de pessoas que nascem com alterações cardíacas, um músculo do coração com diâmetro maior ou uma hipertrofia do músculo cardíaco, por exemplo, e se essas pessoas tiverem alguns estímulos de esforço físico podem deflagrar arritmias que talvez sejam letais”.

O médico também salienta que, ao definir o cronograma das férias e as atividades que serão realizadas nesse período, é importante que a pessoa leve em conta seu histórico, se seus pais ou familiares já tiveram problemas relacionados ao excesso de esforço físico, se existe alguma doença de origem cardiovascular ou comorbidade (doença associada), além de possuir aprovação médica que valide a prática de exercícios e atividades de forte impacto.

Outro ponto importante é saber se não existe nenhuma complicação que no passado tenha inviabilizado a prática relacionada ao esforço físico, além da checagem com os pais e familiares mais próximos que permita saber se houve um acompanhamento médico regular desde a infância com consultas periódicas com o pediatra e o hebiatra (médico para adolescentes), que comprovem a inexistência de nenhuma doença grave.

Conforme o cardiologista, a prática de esportes radicais deve-se ser acompanhada por profissionais da área médica, com avaliações e exames preventivos antecipatórios.

“Se você vai saltar de paraquedas, existe um grande esforço na queda ao solo. Alterações de válvulas cardíacas em alguns pacientes com doença prévia podem levar a alterações agudas de doença do coração. Então, sempre que for praticar um esporte radical, o interessante é fazer um exame para saber como está a sua saúde”.

O especialista ressalta que normalmente existe um pensamento equivocado de que os problemas cardiovasculares estão apenas restritos aos adultos, quando na verdade a incidência em jovens também é grande.

“Existem doenças congênitas não diagnosticadas que podem expor ao risco. Convém lembrar que existem estudos que comprovam que 50% dos dados de autópsia de pessoas que faleceram entre os 21 e 25 anos foi devido a placas de entupimento coronário que não chegam a obstruir a coronária, mas apresentam lesões iniciais da aterosclerose na parede dos vasos, causadas por diversos acometimentos”.

Dessa forma, para aproveitar o recesso e as férias com qualidade e saúde, é importante exercitar-se, com prevenção e sem excessos, além de manter uma boa alimentação e evitar o uso de bebidas alcoólicas, cigarros e outras substâncias que possam prejudicar a saúde.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »