05/03/2015 às 15h07min - Atualizada em 05/03/2015 às 15h07min

Janot pede União dos Partidos

União da Corrupção

G1/ Deborah Albuquerque
Deborah Albuquerque - Gazeta

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou uma carta na quarta-feira (5) a todos os integrantes do Ministério Público Federal na qual pede “união e força” diante dos desdobramentos da Operação Lava Jato e diz ter consciência de que o trabalho da Procuradoria em relação aos políticos citados no esquema de corrupção da Petrobras será "esquadrinhado e submetido aos mais duros testes de coerência".
 

O procurador falou muito e explicou pouco ao povo; deixando clara a união de partidos para acobertamento de seus esquemas de corrupção.


Na última terça (3), o procurador-geral encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (2) pedidos de abertura de inquérito para investigar 54 pessoas- entre elas cerca de 45 autoridades- suspeitas de envolvimento no escândalo investigado pela Polícia Federal e o Ministério Público.
 

“Não acredito que esses dias de turbulência política fomentarão investidas que busquem diminuir o Ministério Público brasileiro, desnaturar o seu trabalho ou desqualificar os seus Membros. Mas devemos estar unidos e fortes," afirmou Janot. Na carta aos procuradores, ele relata que enviou ao STF os pedidos de investigação com "critério técnico e objetivo para adotar as medidas necessárias à cabal apuração dos fatos".

"Diante das inúmeras e naturais variáveis decorrentes de uma investigação de tamanha complexidade, fiz uma opção clara e firme pela técnica jurídica. Afastei, desde logo, qualquer outro caminho, ainda que parecesse fácil ou sedutor, de modo que busquei incessantemente pautar minha conduta com o norte inafastável das missões constitucionais do Ministério Público brasileiro."

Janot diz ainda que o trabalho realizado pelos procuradores não levou em conta partidos ou cargos. "Não espero a unanimidade nem a terei. Desejo e confio, sim, nesse momento singular do País e, particularmente, do Ministério Público brasileiro, que cada um dos meus Colegas tenha a certeza de que realizei meu trabalho em direção aos fatos investigados, independentemente dos envolvidos, dos seus matizes partidários ou dos cargos públicos que ocupam ou ocuparam."

O procurador encerra a carta pedindo “paciência e confiança”. “Guardo-me, assim, na paz de quem cumpre um dever e na certeza de que temos instituições sólidas e democráticas. Integramos uma delas. Estejamos unidos. Sigamos o nosso caminho. Sejamos fiéis ao nosso País. Paciência e confiança!”, concluiu Janot. 

Realmente não será através da justiça que teremos um Impeachement de DILMA do PT , já todos partidos parecem proteger uns aos outros para acobertar suas FALCATRUAS . 

Agora depende do POVO.

Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »