18/06/2021 às 08h52min - Atualizada em 18/06/2021 às 08h40min

A mudança já chegou. E o que vem depois?

Flávia Bellaguarda e André Castro Santos

Adentramos uma nova década, e um novo século. Porém, o sentimento, às vezes, é de que estamos cada vez mais no passado. Claro que é importante conhecermos a história, as ruínas, os erros e acertos das gerações passadas; afinal isso fortalece o alicerce para nosso presente e construção de futuro. Como dizia Thomas Moore “livremo-nos das ruínas e assim perderemos a direção oferecida pela memória”. Mas é essencial que sempre haja um olhar atento para o futuro.

 

Como indivíduos, para não cometermos os mesmos erros precisamos estar alertas e conscientes. A nossa vida moderna parece tornar difícil a construção de uma vida baseada em valores profundos e sabemos como é desafiador a mudança, que por menor que seja, gera desconforto. Imagine esses fatores a nível coletivo. Se para uma pessoa já é desafiador, imagine para a sociedade como um todo. 

 

É complexo, são muitas variáveis na equação, mas o caminho que temos que seguir como sociedade é aquele que maximiza o interesse público – ou deveria ser. Estamos vivendo um momento de transformação profunda e o futurista em nós não para de se questionar. O que vem depois?

 

Domenico de Masi em sua obra ilustra que em nossa história tivemos alguns saltos de épocas, momentos de transformação profunda e mudanças de paradigmas como sociedade. Isso acontece quando três inovações diferentes coincidem: novas fontes energéticas, novas divisões do trabalho e novas divisões do poder. Três estruturas que hoje estão constantemente sendo questionadas e alteradas. 

 

Uma nova estrutura está emergindo e precisamos nos atentar para como será nossa intervenção com o meio ambiente nessa nova era. Pois, se a memória não nos falha, a humanidade tem uma postura de dominação perante a natureza. Os exemplos são infinitos, como soterrar rios para construir viadutos, transformar áreas de preservação em pasto, realizar testes em animais, entre tantos outros. 

 

Utilizar a natureza para o desenvolvimento humano não precisa ser algo ruim. O nosso futuro pode ser construído em harmonia com o meio ambiente. Não somos donos da água, do ar, da terra. Coexistimos nesse planeta, junto a tantas outras espécies. Cada uma na sua função, e nós como seres humanos, temos a aptidão para sermos criativos e não destrutivos ao viver em sociedade. 

 

E vamos continuar sonhando e construindo um mundo no qual chegará o dia em que a geopolítica será ameaçada porque um país como o Brasil poderá ter o desmatamento como um arsenal, tal como hoje os países ricos ameaçam o mundo hoje com suas bombas atômicas. Afinal, o  meio ambiente é a maior riqueza de um país e sua destruição pode ser comparada a uma bomba, lenta e silenciosa, armada por nós, quando não nos atentamos a hábitos que degradam o meio ambiente ou insistimos em eleger pessoas descompromissadas com a sua, ainda que mínima, preservação.

Link
No meio do Ambiente

No meio do Ambiente

Vamos mergulhar em um tema essencial para o desenvolvimento da humanidade no sec XXI e você que está no meio do ambiente não pode ficar de fora!

Relacionadas »
Comentários »