25/11/2020 às 09h03min - Atualizada em 25/11/2020 às 09h01min

Sua empresa já está adaptada para a nova LGPD

Com o avanço da tecnologia no mercado, podemos notar a digitalização de atividades e no desenvolvimento de empresas para gerar captação de novos clientes. Em consequência de todo esse avanço, questões sobre a segurança de dados pessoais são levantados continuamente, ainda mais em um período em que a maioria dos processos de compra e venda são realizados pelo meio virtual.

 

Pela necessidade de conscientização a respeito do armazenamento e tratamento de informações pessoais disponibilizadas na internet e em meios físicos — como números de telefone, CPF, RG e e-mail — a LGPD entra em vigor justamente para garantir a segurança desses dados pelas empresas.

 

Quer saber mais sobre o assunto? Então leia o post até o final e saiba se sua empresa está preparada para as novas demandas da LGPD.

 

O que é a LGPD?

 

Em suma, a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) refere-se a como os dados devem ser coletados, armazenados, tratados e protegidos pelas empresas.

 

Dessa forma, as organizações precisam administrar as informações pessoais dos usuários de acordo com a lei, e caso isso não seja cumprido da forma correta, os negócios poderão receber multas e outras punições vigentes em lei pelo seu descumprimento, especialmente se as informações pessoais forem vazadas ou compartilhadas indevidamente com outros órgãos.

 

De forma geral, LGPD orienta que, para que as empresas consigam dados pessoais para suas campanhas internas de captação e vendas, elas precisam deixar claro aos consumidores e usuários o motivo pelo qual seus dados estão sendo pedidos. Além disso, os clientes precisam consentir para a concessão dos dados de forma consciente.

 

Como preparar minha empresa para a LGPD?

 

Antes de tudo, precisamos lembrar que todos os negócios e empresas ativas no mercado precisam se adequar às novas modalidades exigidas pela LGPD por meio de ferramentas, técnicas, processos e pessoas.

 

Sendo assim, o primeiro passo é a criação de um programa interno para que a empresa consiga se adequar de maneira eficiente ás exigências da lei. Esse programa será responsável por gerir todas as ações devidas e deve ser liberado pelo DPO (Data Protection Officer), cujo cargo fora criado pela própria LGPD.

 

Além disso, esse programa de adequação, criado pela própria empresa, também deverá ser o elo de comunicação entre a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados) e, logo, o responsável para depor em eventuais incidentes.

 

Também precisamos ressaltar a importância de que o programa de adequação não pode ser pautado para fins jurídicos, tecnológicos, etc.

 

Seu foco é prover todos os meios necessários que estarão a favor da segurança de dados, lembrando que é necessário considerar a importância do know-how no momento de avaliar as boas práticas, por exemplo: ISO (índice de qualidade), TI (Tecnologia da Informação), Framework, ativos, segurança, cibersegurança e diversas interfaces.

 

Além de todos esses processos, também é preciso avaliar em como as plataformas de governança e gestão de privacidade estão sendo conduzidas.

 

Sendo assim, algumas técnicas específicas precisam ser aplicadas, como petições, gerenciamento de riscos, consentimentos e, além de tudo, o ciclo de vida dos dados pessoais em que a empresa administra, bem como a sua exposição.

 

Agora que você já sabe a importância de adequar sua empresa às exigências da LGPD, que tal conhecer os serviços da SysAdmin Tecnologia? Saiba como o suporte de TI correto pode ajudar o seu negócio.

 
Link
Lucas Widmar Pelisari

Lucas Widmar Pelisari

Descobrindo o Marketing Digital, dicas de como aumentar tráfego orgânico e otimização no posicionamento de domínios perante motores de busca

Relacionadas »
Comentários »