15/02/2020 às 00h10min - Atualizada em 15/02/2020 às 00h10min

Arqueóloga portuguesa alerta em seu livro que um dos assentamentos humanos mais antigos do mundo vai desaparecer

Durante mais de 12.000 anos, o rio Tigre sustenta o povo de Hasankeyf, que é considerado um dos mais antigos assentamentos humanos conhecidos.

Reprodução/MF Press Global

Durante mais de 12.000 anos, o rio Tigre sustenta o povo de Hasankeyf, que é considerado um dos mais antigos assentamentos humanos conhecidos. Agora o tempo está se esgotando para a cidade antiga, que está prestes a ficar submersa pelas águas da albufeira da barragem de Ilisu, na Turquia, devido a um projeto controverso que busca o desenvolvimento econômico da região e a injeção de milhões de euros nos cofres públicos.

A arqueóloga portuguesa Joana Freitas foi uma das estudiosas que se uniu a uma grande corrente mundial que buscava impedir o avanço da construção da barragem, já que Hasankeyf é um dos mais antigos assentamentos humanos conhecidos no mundo inteiro. Contudo, apesar das reivindicações, já que o sítio reúne 9 dos 10 requisitos para ser considerado patrimônio da humanidade, a construção avançou e estima-se que até abril de 2020 toda a cidade antiga esteja totalmente submersa.

Por esse motivo, de modo a deixar um registo histórico, Joana Freitas lança o livro “Hasankeyf - onde a história pode ser esquecida” pela editora MF Press Global:  “passar para palavras o que se passa em Hasankeyf funcionará como um registo de memória. Seja o que for que vá acontecer, mesmo que o mais provável seja o pior desfecho, o mundo viu, o mundo alertou e foi ignorado. Será uma perda irreparável, insubstituível de um lugar com milhares de anos de história e de histórias. Hasankeyf servirá como um local metáfora, o espelho da humanidade destruindo a sua própria história, o seu passado, cortando as suas raízes”, referiu a arqueóloga.

Joana Freitas/Café Central / MF Press Global

Joana Freitas/Café Central / MF Press Global

Entenda o caso

A barragem de Ilisu, construída ao custo de US$ 1,3 mil milhões, atravessa o rio Tigre a 46 quilômetros de distância de Hasankeyf  em direção às fronteiras do Iraque e da Síria. É uma estrutura maciça - 138 metros de altura e quase 1280 metros de largura, que foi planejada por mais de 60 anos e finalmente foi concluída no ano passado.

O governo turco diz que a construção faz parte de um ambicioso projecto para aumentar o suprimento de eletricidade na região e, com sorte, inaugurar um boom econômico. No entanto, os moradores têm dúvidas de que colherão qualquer benefício, e os arqueólogos e investigadores acreditam que o custo humano, histórico e ecológico é alto demais. O reservatório da represa cobrirá 121 milhas quadradas, deslocando cerca de 15.000 pessoas na região e a condenar 300 sítios arqueológicos e assentamentos a ficar para sempre nas profundezas. Em Hasankeyf, onde a água subirá cerca de 200 pés, 80% da cidade desaparecerá.

Sobre o Livro

Hasankeyf: onde a história pode ser esquecida

Autor: Joana Freitas

Formato: e-book

Editora: MF Press Global

Distribuição e venda: Amazon (mundialmente) - Online

Link
Relacionadas »
Comentários »