11/07/2015 às 00h00min - Atualizada em 11/07/2015 às 00h00min

Cristina Deutsch

Escritora

Thiago Santos

 Thiago Santos: Quem é o ser humano Cristina Deutsch?

 Cristina Deutsch: Acho muito difícil se descrever e para dizer a verdade não gosto de fazer, pois tenho um monte de qualidades (rsrs) e algumas pessoas pode até me achar arrogante por isso, embora não seja. Bem, agora falando sério, sou uma pessoa introvertida por natureza e extrovertida quando necessário, além de ser muito observadora e dona de uma personalidade fortíssima, que ficou durante um período obscuro da minha vida, bem abalada. Fora essa fase ruim, sempre mantive os pés firmes no chão. Mas como qualquer outro ser humano, tenho minhas crises de mau humor e, quando isso acontece não atendo nem telefone, pois ninguém é obrigada a aguentar gente rabugenta. Não suporto gente que reclama de tudo e de todos, que sabem e fazem tudo melhor, que estão sempre criticando e procurando defeito no próximo. Meu lema e: viva e deixe viver. Como não posso mudar o mundo de todos nós, procuro fazer do meu o melhor possível, pois quero que as pessoas que de mim se aproximem se sinta bem em minha companhia. Posso contar nos dedos de uma mão os amigos, poucos néh?! Acredite são amigos do peito, de verdade e pra toda hora. Consideram-me boa mãe, irmã, sobrinha, prima...e esses cumprimentos são bem vindos, apesar de possuir defeitos, tai uma coisa difícil de se acreditar (rsrs). E um deles o perfeccionismo. Sei que consequentemente cometo muito mais erros e, por estar sempre tentando aperfeiçoar, acabo salgando o doce. Por falar nisso, confesso ser péssima cozinheira, prefiro comer, aliás, dá menos trabalho. 

 Enfim, detesto frio e, moro há anos na Alemanha, que é um verdadeiro freezer. Amo ler, mas só leio aquilo que simpatizo, meus tempos de escolas ficaram no passado, nessa época tinha que ler, gostando ou não. Hoje faço isso por  prazer e lazer, por isso mesmo, reservo-me o direito de ler até o fim um livro que goste do conteúdo, essa história que escritor tem que ler de tudo, a meu ver, conversa fiada, pois se você não se identifica, a leitura não flui e se tornará maçante, desgastante. Um livro é criado com muito amor, pois todo autor ama seus filhotes e, o leitor que o adota, precisa amá-lo do mesmo jeito.

 Como mencionado acima, sou introvertida, falo pouco, observo muito. Respeito tudo e todos que fazem por merecer. Não me exponho ao ridículo, tenho pavor a escândalos, a gente pobre de espirito, vulgar.

 Venho de uma família paupérrima e nela aprendi a ganhar a vida honestamente, a valorizar mais as pessoas que as coisas materiais. Sou natural de Petrópolis/RJ, a primogênita dos dez filhos que meus pais juntos tiveram. Estou com cinquenta e dois anos de idade, pisciana, sensível, mas nada romântica. Mãe da Luana e avó da Chayanne, que são meu mundo, meu tudo.

 Não fumo, assim como não consumo bebidas alcoólicas. Religião não me interessa e odeio respostas do tipo: “foi ou é a vontade de deus” “creia em deus e entrega nas mãos dele e tudo se resolverá” Tudo bem que se tenha fé, mas corra atrás do seu sustento, fora isso verá no que resultou aguardar “o milagre da espera”. Tenho horror à política, especialmente a brasileira.

 Sou quase uma atleta, pratico dez minutos de esporte diariamente, além do mais detesto exagerar nunca foi meu forte, aliás me falta paciência para tudo que cansa. Curto uma boa música, por exemplo: bossa nova, mpb. Amo sol, praia, viajar, gente alegre, cor vermelho, rosa amarela e feijão com arroz.

 

 Cristina?

 Uma pessoa que na essência é muito humilde e humana, que ainda acredita na educação como salvação da humanidade. Pessoas cultas e civilizadas respeitam os outros, assim também como tem a consciência de que, não se ganha à vida praticando o crime, seja ele qual for. Creio que quem ama a arte, independentemente da forma em que ela se manifeste: literatura, dança, musica pintura, esculturas dentre outras, abre as portas da sua sensibilidade e aprende a respeitar o próximo, além de despertar a criatividade numa dessas áreas. O mundo precisa de gente disposta a fazer o bem, a preservar e a valorizar a vida, infelizmente uma vida, seja humana ou animal, não vale mais nada nos dias atuais e, isso me entristece. Acostumamo-nos com as noticias trágicas e aprendemos a ignorá-las, enquanto isso, a maldade vem ganhando espaço. Nossa sociedade está doente em vários aspectos e a arte pode curá-los, mas para que isso aconteça, nossos políticos precisam investir na educação, saúde e segurança. Em países como Alemanha, por exemplo, não se ver a marginalidade que existe no Brasil, por quê? Porque as leis aqui funcionam, seus filhos são obrigados a frequentar a escola, a ganhar o pão com o próprio suor, e quando não respeitam são punidos, não importa a idade. Eu particularmente creio que, com disciplina e a arte construiremos um mundo melhor para todos nós.

 

 Com apenas oito anos de idade já começa os primeiros momentos em prol da arte da escrita?

 Bem, eu estudava no colégio Santa Catarina, localizado na Montecaseros em Petrópolis, um colégio católico regido por freiras, elas incentivavam a arte num todo, havia peça de teatro, coro musical (eu até a quarta série tocava piano, mas fazia por medo delas) dos concursos literários participava por livre e espontânea vontade e, algumas vezes consegui do primeiro ao terceiro lugar. Houve certamente os que participei e não me classifiquei, cá entre nós, elas não sabiam nada sobre poesia. (rsrs) Entretanto, não creio que essa fase tenha influenciado a carreira que sigo atualmente.

 

 O que foi decisivo para que no ano de 2005 iniciasse sua trajetória como autora?

 No ano dois mil e quatro passei a sofrer de depressão e, para matar o tempo escrevia contos e reflexões. No ano subsequente estava tão mal que perdi o emprego, porque não conseguia sair de casa. Por ser uma pessoa introvertida, muito reservada, ninguém percebeu a doença que trazia escondida, todavia a presença dessas pessoas me incomodava e, irritava ao mesmo tempo. Infelizmente a gota d’água veio com a notícia do assassinato do meu irmão Fábio, no dia oito de dezembro do ano de dois mil e cinco, ele estava com trinta e dois anos de idade, mais uma vitima da violência brasileira. O que vinha mantendo bem guardada de todos, estourou como uma bomba e o barulho que fez deixou rastros. Se eu saia de quando em quando, depois disto, não atendia nem a porta, nem mesmo o telefone. Passei também a sofrer do pânico, tudo representava perigo, o meu refúgio era o computador, não participava das redes sociais, por trás delas havia uma pessoa e, eu não teria forças para lidar com elas naquela ocasião, por estar vulnerável, fraca, coisa que geralmente não sou, no entanto, tudo representava perigo, até mesmo um “oi”. Juro é horrível, infelizmente a maioria das pessoas não entendem a doença e, dizem: vai trabalhar que passa. Só que elas não compreendem que, o doente, não tem vontade pra nada, tudo o que ele sente é uma tristeza sem fim, não existe uma luz no fim do túnel, a vida fica escura, não há diferença entre o dia e a noite, tampouco, entre viver ou morrer. No entanto, hoje faço tudo como antes da depressão se apoderar de mim. Enquanto me isolava do mundo, eu punha na tela do computador toda minha angustia, expectativas, entre outras... Em outubro de dois mil dez, montei um negócio online, um shop de acessórios femininos. Consigo também com ajuda de alguns contatos de vez enquanto a empregar um jogador de futebol, por esse mundo a fora. Embora tenha que trabalhar para me manter, escrever é algo que faz parte da minha essência, preciso da escrita para me manter de bem comigo. Sim, foram às lágrimas que escorreram dos meus olhos e banharam a alma em dois mil e cinco, que despertaram o espírito escritor que há muito tempo adormecera em mim.

 

 Ao escrever as primeiras palavras tinha noção de que muito realizaria no quesito futuro?

 Não, não mesmo. Quando dei inicio a escrita ainda não tinha coragem sequer para enfrentar elogio, que dirá a critica. Como revelado, escrever foi para mim uma terapia, que me ajudou a me erguer e a sair do fundo do poço (me refiro à fase depressiva). Sou uma das pessoas que não gosta e nem faz planos para o  futuro, para ser sincera, o que importa é o agora. Se eu farei sucesso com minhas obras o tempo dirá, e ai entra novamente o futuro, embora não tenha escrito um livro com esta finalidade, mas se eu disser que não gostaria, estaria mentido.

 

 La está você, sentada no sofá, tendo em mãos seu primeiro livro já publicado. O que sentiu?

 Um momento alegria “retardada”, pois a publicação deste livro me trouxe a ilusão. A ilusão de ser alguém especial. Cheguei até me julgar muito inteligente, mas saiba que a realidade chegou mais rápido que esperada ou desejada, esmagando meus sonhos e abrindo espaço para todas as frustrações que um livro traz. Foi bacana tê-lo impresso nas mãos, porém não foi e nunca será o momento mais importante da minha vida.

 

 E logo o segundo livro ganhou vida?

 Também um grande desgosto, na realidade paguei uma prestadora de serviço, que cobrou pela correção etc...Resultado: diagramação muito bem feita, assim como as capas, todavia o texto, como enviei foi publicado, ao tomar conhecimento do acidente, vendi os livros bem mais barato para não perder todo o investimento, pedindo mil desculpas pelos erros gravíssimos gramaticais dentre outros. Decepcionada, abandonei a ideia de pagar para ser publicada, e um revisor, só pagarei daqui pra frente, se ele for realmente qualificado e experiente no ramo.

 

 Nos fale sobre o livro “Águas Lindas”?

 Um livro que descreve as diferenças sóciais, toda a trama ocorre no Brasil, e traz o cotidiano do povo em diversas situações. As pessoas que leram, o acharam muito polêmico e, talvez por isso mesmo, seja tão interessante.

http://www.cristinadeutsch.org/romance/agua-lindas/

 

 E sobre o livro “O Sexto Sentido”?

 Este um romance místico, que tem a protagonista paranormal, outro bem polêmico, pois muitos acreditam outros não. A trama também ocorre no solo brasileiro, embora alguns dos personagens sejam turcos, italianos e alemãs, por isso aparece no livro nomes estrangeiros.

http://www.cristinadeutsch.org/romance/o-sexto-sentido/

 

 Recentemente foi publicado mais uma obra de sua autoria?

 Sim, mas como sempre, livros trazem frustrações, venho enfrentando criticas, a maioria ignoro. Se bem que não posso reclamar, o livro vem sendo muito elogiado, porém a revisão, novamente um problema. Na escuridão dos dias tem a guerra da Bósnia como pano de fundo. Uma historia de ganância, ambição, luta e jogo de poderes; Através da ficção, o livro levanta o véu de todo os muçulmanos sem direito a identidade e uma vida digna, e serve de alerta para as novas gerações: a liberdade é o maior bem que possuímos.

 Book Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=k5bC5PQ81ZM

 A venda no Amazon: http://www.amazon.com.br/Escurid%C3%A3o-Dos-Dias-Cristina-Deutsch-ebook/dp/B00U2LAD2W/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1426269101&sr=8-1&keywords=na+escurid%C3%A3o+dos+dias

 A venda no Brasil ou Exterior: http://naescuridaodosdias.cristinadeutsch.org/

 

 Bastou o ano começar para que você vivesse um ótimo momento?

 Verdade. Inclusive recebi esta noticia de que meu conto havia sido um dos premiados no dia dez de março, meu aniversario, um presente e tanto, uma grande conquista, fiquei radiante. Espero que não seja o único prêmio do ano.

 http://blog.cristinadeutsch.org/wp-content/uploads/2015/04/Teresa_Cristina_Deutsch.png

 

 Se importa em expressar palavras que se tornem sinônimo de inspiração para o amigo leitor que também deseja viver em prol da arte? E também uma frase que seja capaz de descrever o que você sente por fazer algo que muito ama?

 Tudo que posso dizer é: creia em si próprio e não se iluda com o dinheiro grande e fama, pois isso é algo dificílimo de obter, não impossível. Não estou sendo pessimista, mas se pretendes seguir a carreira de escritor, saiba que, as frustrações são grandes e o reconhecimento às vezes nem vem, ainda assim, digo para seguir em frente. Somente evite se iludir e mantenha as expectativas dentro dos limites, para não sofrer sem necessidade. Tendo consciência que os tombos fazem parte, desejo lhe muita sorte e acima de tudo, muita inspiração.

 

 Para finalizar nos fale dos seus projetos atuais e futuro!

 Bem, seguirei escrevendo e participando de concursos literários. Pretendo também participar da feira do livro aqui na Alemanha e países vizinhos no momento. Se o amanhã ainda distante vier e permitir, quero lançar meu primeiro romance policial, que terminei dias anteriores, no Brasil. Espero fazer um lançamento em várias cidades, mas como mencionei acima, não gosto de planejar nada e depois não poder cumprir. Caso eu possa concretizar esse sonho, informarei com dias de antecedência através de jornais físicos e mídias sociais, o local e a hora do evento.

 Minhas redes sociais

 Site:

http://www.cristinadeutsch.org

 Blog:

http://www.networkedblogs.com/blog/filosocriando

 Facebook Page:

https://www.facebook.com/CristinaDeutschOficial

 Google +:

https://plus.google.com/+CristinaDeutschwriter

 Twitter:

https://twitter.com/cristinadeutsch

 Tumblr:

http://cristinadeutschoficial.tumblr.com/

 Skoob:

http://www.skoob.com.br/autor/12246-cristina-deutsch

 Instagram:

https://instagram.com/escritoracristinadeutsch/

 

 

Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »