19/06/2015 às 14h06min - Atualizada em 19/06/2015 às 14h06min

Pandora Brasil Portella

Ator e Humanista

Thiago Santos

 Quem é o ser humano (Por trás da personagem) Pandora Brasil Portella?

 Uma pessoa guerreira que luta pelos seus objetivos e que sabe o que quer. Desde  meus 16 anos luto pra sobreviver nessa "Cidade Mãe" e ao mesmo tempo costumo dizer "Cidade Leão",  se não tomarmos cuidado cada segundo podemos ser devorados pelo desconhecido. Sou um ser de pés no chão, mas também muito teimoso naquilo que quero.

 Minha razão de continuar é minha família,  minha mãe e irmãos .

 

 Em que momento de sua vida se deu conta que “trilharia” em alegria pelo mundo artístico? 

 Quando comecei no teatro as pessoas adoravam quando eu imitava alguém e a maioria das vezes eu sempre contava piadas na ponta da língua.

 Quando tive a oportunidade de ir de voltar à minha terra natal Ceará depois de 9 anos pra rever meus pais,  logo que o prefeito ficou sabendo da minha chegada mandou uma turma da Secretaria da Cultura me procurar. Lógico eu tinha ido visitar meus pais  e jamais imaginaria que as pessoas lá estavam por dentro dos meus trabalhos. 

 Nessa época o Orkut ajudou bastante essa divulgação. Então o prefeito me fez o convite para eu montar um  projeto de uma festa do Dia Internacional da Mulher. Em uma semana criei a performance e um texto teatral. Um trabalho para 500 pessoas, que por sinal minha mãe e irmãs foram assistir. Eu fiquei muito nervoso e preocupado, pois  minha mãe era muito preconceituosa. Na verdade ela tinha mais vergonha do que o povo iria falar a respeito... Consegui animar o evento e recebi muitos aplausos da platéia. Minha mãe chorou neste dia e eu nem percebi pois estava tomado pelo personagem. No final o prefeito me aplaudiu e disse que eu era filho daquela cidade, fruto de lá. Eu tirei a peruca e disse que atrás daquela maquiagem existia um grande ser humano. Foi ali que entendi que eu não poderia parar. E ganhei força pra continuar.

 

 

 

 

 

 

 Num determinado momento de sua vida houve uma escolha que resultou em acontecimentos importantes para o todo de sua carreira?

 Na verdade muitas coisas aconteceram para que desse errado, na maioria das vezes sempre eram coisas que me desmotivavam, mas nem por isso desisti. O que mais me influenciou e foi motivo de querer continuar foi quando percebi que as pessoas gostavam da Pandora.

 Financeiramente até hoje luto pra conseguir mais oportunidades e é lógico isso tudo depende da maioria das vezes uma boa divulgação. Mas muitas coisas boas aconteceram sim e espero que continuem.

 

 Seu nome artístico é de uma força personificada positivamente forte! De onde surgiu à idéia?

 Meu nome surgiu de uma forma muito engraçada... rssrsrs. Em 2007 eu trabalhava em um salão de cabeleireiro e todos os clientes me falavam: - "Edy você precisa criar um nome para você no teatro".

 Uns sugeriam um nome e eu não gostava, de repente olhei para um carrinho de cabeleireiro e lá estava o nome "PANDORA". Quando vi aquele nome lindo e muito forte olhei para as  pessoas do salão e disse: - " Gente achei meu nome". Ai eu falei bem alto " PANDORA". Depois em homenagem ao meu país coloquei Brasil e Portella do meu sobrenome mesmo. É  um nome maravilhoso, forte e cheio de personalidade... De lá para cá muitas coisas vieram. Sou grato ao universo e aos espíritos teatrais.

 

 Consegue trazer à tona suas emoções sentidas no primeiro dia de ensaio e também na conclusão de sua primeira atuação teatral? 

 Falar desses momentos de verdade me emociona, porque eu sou do interior,  lá do interior do Ceará e filho de família muito pobre. As situações me faziam eu sentir um nada.

 Quando eu via em jornais figuras do meio artístico , pois não tinha TV, eu me imaginava nas revistas, como ator. Então tudo aquilo diante meus olhos brotava em meu coração a vontade de vir embora, correr atrás dos meus sonhos,  mais eu era apenas um adolescente que queria estudar e estudar e ser alguém na vida.

 A necessidade me tirou de perto da pessoa que mais amo na minha vida,  minha mãe. Eu precisei sair de casa com os meus 16 aninhos pra trabalhar e ajudar minha mãe sustentar seis irmãos pequenos. E quando eu pisei no palco e senti aquele chão de madeira, as coxias, a luz e eu estava no mesmo lugar, lugar que sempre sonhei. Eu tremia e chorava. E eu tinha certeza que eu iria ser alguém. Nunca me esqueço!.

 

 

 

 

 

 

 O ano de 2007 lhe proporcionou ótimos momentos?

 Sim, em 2007 junto com a atriz Fabiana Karla da Globo percebi o tamanho da oportunidade que eu estava tendo. E com a peça "Magia do Dragão"  percebi a capacidade de levar alegria para crianças de uma classe social desfavorecidas de um acesso Cultural. Para mim foi umas das coisas mais linda do mundo que eu já tinha feito. E sentado em um banquinho ao lado da Fabiana, ela me deixou entender que não existe barreiras quando sonhamos. Sou eternamente grato a Deus e ao Sesi.

 

 Sua graça também tem como propósito de vida, ser mais um entre os muitos defensores combatentes quanto há uma determinada causa?

 Sim,  o que mais me deixa realizado é a alegria de ser uma pessoa do bem,  que pensa no bem estar dos outros, de poder conscientizar e  trabalhar no combate a Homofobia. Não é uma tarefa fácil, mas não tão difícil quando temos força e vontade. O motivo de querer lutar em prol dessa causa foi exatamente porque sofri dentro da minha própria casa o preconceito e a tortura psicológica de alguém lhe dizer que você tem que ser homem. 

 Todas essas torturas me fez sofrer muito. E eu tinha até medo de abrir minha boca na frente dos outros porque eu já pensava que alguém iria falar algo sobre minha voz e sobre meus trejeitos. Tudo na minha cabeça era muito confuso,  nem eu mesmo me entendia. Tudo piorava quando pessoas de meu convívio me massacravam muito nessa questão, então luto todos os dias em prol dos homossexuais que sofrem por medo de ser o que realmente são. É por isso que estou há 7 anos a frente de uma Secretaria pra combater essa doença Homofobia

 

 Na sua opinião e principalmente baseado em sua experiência obtida nestes muitos anos de luta, por quais vias poderemos um dia viver e conviver diante uma sociedade igualitária e justa?

 Eu acredito que sim, mas isso depende também dos nossos governantes implantando mais leis severas e “punições” corretas para determinadas abordagens de alguns preconceituosos.

 Nosso mundo é construído ainda de pessoas boas e que ainda amam o próximo. Mas tem mais pessoas homofóbicas do que pessoas que nos apoiam. A igualdade só poderá ser realmente considerada quando as pessoas forem curadas de seus fanatismos religiosos. Quando toco nesse assunto de religião a minha vontade é de não parar de falar, pois as pessoas estão confundindo religião, com doenças, com fanatismo, de uma fé que não existe. Porque eu sei que Deus não e assim. Deus é maravilhoso e ama todos incondicionalmente. Se nosso país é vivido e manipulado por religiosos, sendo estes muitos preconceituosos fica difícil chegarmos em um país de igualdade. A partir do momento que nossa justiça começar a funcionar de verdade e punir com multas esse tipo de homofóbicos, quem sabe chegaremos ao fim da desigualdade.

 

 

 

 

 

 

 E por quais vias a personagem Pandora Brasil Portella já cooperou e pretende cooperar em prol da causa igualitária entre os seres humanos?

 Tenho certeza que já ajudei muitas pessoas a se libertarem do medo de se assumirem publicamente. Em 2008 participei da conquista do selo UNICEF na minha cidade com o tema "Música e Teatro na Escola" e eu sempre abordava os temas de Igualdades sociais, incluindo palestras em periferias para adolescentes carentes. Trabalhei também o tema Conscientização, Política pra adolescentes  onde eu mostrava para os jovens a importância  e o valor do voto e  para quem  e para que votamos! Consegui trazer o selo UNICEF para cidade com entrega de prêmios pelo Ciro Gomes. Essas são com certeza minha herança de boas lembranças de conscientização.

 

 Em prol da causa e na sua opinião quais foram os pontos positivos da Parada Gay deste ano?

 A parada gay como sempre leva temas importantes para avenida Paulista, como o tema deste ano " Eu nasci Assim, Eu Cresci Assim , Vou Ser Sempre Assim, Respeite-me . O tema já diz,  não existe outra forma se não Respeitar,  já que é difícil de aceitar.

 Os pontos positivos mais uma vez foi a multidão que mostrou que somos Fortes,  Unidos,  e Determinados em prol de  uma só causa.

 Os pontos negativos e desnecessários são algumas personalidades que se expressam de uma maneira que dificulta o entendimento da população

 O que mais mexeu com a cabeça do povo são  as expressões que mostraram atos religiosos , mesmo eu entendendo perfeitamente que alguns fatos eram simplesmente representando a maioria das mortes  de homossexuais no país, que infelizmente são esquecidas.

 Este é um grande evento realizado na maior metrópole do pais vista pelo mundo inteiro  e que gera arrecadações e lucros  obtidos dos turistas e movimentos comerciais. Lembrando que todos grandes eventos sempre tem  aqueles que fazem vandalismo e este, não seria diferente.

 

 E o ser humano por trás do personagem sente-se de qual forma devido há oportunidade de viver conforme os próprios sonhos se realizando através de seus esforços, persistência e perseverança? 

 Eu,  Edy Olivier me sinto cada dia mais forte, guerreiro e feliz pelas oportunidades que meu personagem me propôs,  entre elas o maior presente de Deus,  as minhas amizades.

 Não me realizei ainda financeiramente porque viver de arte no Brasil é o mesmo que tentar ganhar na mega sena, mas as chances são boas e poder entrar em alguns eventos só porque sou a Pandora Brasil, já  me sinto muito mais realizado.

 Agora estou com um formato novo de trabalho que é a  Pandora Brasil Eventos, que entre outros projetos atua em animações de eventos corporativos ou não, aniversários surpresas, casamentos,  etc... 

 Tudo está sendo mega maravilhoso, estou com uma mulher maravilhosa me assessorando, a  Lourdes Castro, uma pessoa boa abençoada e com muita força de vontade. Então é isso, viver Duas personalidade não é tão fácil,  as vezes as pessoas me chamam tanto de Pan, como  Edy..... fico perdido. . rsrsrs. É muito gostoso essa adrenalina chamada Pandora Brasil vivida por mim.

 

 

 

 

 

 

 Para finalizar nos fale dos seus projetos atuais e futuro!

 Bom atualmente recebi algumas propostas voltadas a projetos sociais e culturais. Projetos os quais pretendo transformar Pandora Brasil em uma empresa voltada a Beleza Feminina. Sou cabeleireiro e vivo disso,  amo também essa arte e quero transformar esse nome em empresa.

 Futuramente com projetos no Sindicato dos Comerciários e alguns convites maravilhosos feitos pela presidente da Secretaria da Diversidade que atua na UGT. Muito obrigado por tudo e pela oportunidade de reviver novamente minha história. E sempre me emociono com essa grande trajetória. 

 Com Carinho Edy Olivier (Pandora Brasil Portella)

 

 

Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »